Telemedicina: o que é, como funciona e suas vantagens para as operadoras de saúde

Telemedicina: o que é, como funciona e suas vantagens para as operadoras de saúde

Os avanços tecnológicos vêm acontecendo gradativamente e transformando todos os setores do mercado atual. A área médica foi um dos segmentos que avançaram exponencialmente. Hoje, são inúmeras possibilidades de tratamento e diversos recursos disponíveis em favor da vida. A telemedicina, por exemplo, é mais uma inovação .

A telemedicina propõe algumas novidades para a área médica. Por meio da troca de informações clínicas a partir dos recursos tecnológicos, equipes médicas poderão usufruir da ferramenta agilizando suas atividades.

Então, quer saber mais sobre a telemedicina, entender sobre o seu funcionamento e por que as operadoras devem adotar essa inovação em seus serviços? Confira este post que traz informações valiosas. Boa leitura!

Entenda, de fato, o que é telemedicina

A telemedicina esta se tornando uma realidade em hospitais e consultórios do mundo todo, desde o seu surgimento, em Israel, nos anos 50. Atualmente, é amplamente difundida no Canadá, nos Estados Unidos, na Europa e aqui no Brasil. Trata-se de uma vertente clínica que utiliza os recursos tecnológicos existentes viabilizando diagnósticos e o tratamento em lugares de difícil acesso.

O objetivo da telemedicina é melhorar muitos fatores, como distância e tempo, uma vez que um atendimento entre profissionais e pacientes pode ocorrer em tempo real onde isso seja possível. Dessa forma, os serviços médicos ficam mais rápidos, beneficiando tanto profissionais de saúde quanto os pacientes.

Além desse atendimento em tempo real, ela propõe serviços como videoconferência, discussão de casos clínicos complexos com especialistas no assunto, capacitação de profissionais por meio de cursos a distância, atendimento a pacientes, entre outras possibilidades.

Saiba por que as operadoras devem apostar nessa realidade

Em se tratando de um avanço tecnológico atual, com objetivo de oferecer serviços de qualidade e melhorar o atendimento em saúde de forma online e bem estruturada, não deixa de ser interessante conhecer os seus serviços.

No entanto, ao optar pela escolha é sempre recomendável procurar conhecer os pontos positivos e os negativos. Como qualquer inovação, pode apresentar fragilidades que precisam ser questionadas e entendidas como um suporte e não como a solução de todos os desafios na saúde.

Diferentemente do que muitos pensam, a telemedicina não é substituta da medicina convencional e não veio destituir o que já existe. Na verdade, o seu objetivo é viabilizar tratamentos mais rápidos com recursos tecnológicos, ou seja, é mais um avanço para o cuidar das pessoas usufruindo recursos disponíveis para determinados espaços.

Veja como é o seu funcionamento

São 2 os campos de atuação da telemedicina: telelaudos e teleassistência. Cada um procura oferecer serviços especializados viabilizando maior agilidade aos tratamentos.

Telelaudos

A emissão de laudos no país é a principal área da telemedicina. Os telelaudos são projetados em softwares de saúde que promovem o recebimento de exames, por exemplo, os de imagem — eletrocardiogramas, telerradiologia, eletroencefalogramas, entre outros, para que especialistas possam analisar de forma rápida. Lembrando que a análise convencional não deixa de existir.

Teleassistência

Procedimento a distância que possibilita serviços da clínica para o ambiente digital, tais como orientação da saúde, monitorização do paciente, triagem e consulta entre médicos para formarem uma nova concepção de diagnósticos. Toda comunicação acontece dentro de plataformas online, sendo realizada por videoconferência, áudio ou chat, seja pelo celular, seja pelo computador.

Confira as vantagens da telemedicina para as operadoras de planos

As tendências tecnológicas são importantes para melhorar os processos, tanto para os profissionais quanto para os pacientes. Confira as principais vantagens:

  • diagnóstico clínico compartilhado;
  • redução de custos hospitalares;
  • aumento da demanda clínica;
  • segurança no armazenamento de dados;
  • disponibilidade de especialistas;
  • otimização do tempo.

Como você pôde observar ao longo do texto, a telemedicina traz benefícios para medicina. Entretanto, não é a solução de todos os problemas, tem fragilidades, merece cuidado. São ferramentas que podem melhorar a qualidade dos serviços oferecidos pelas operadoras dos planos de saúde, ou seja, é um suporte.

Então, este conteúdo contribuiu para esclarecer as suas dúvidas e ajudá-lo a implantar a telemedicina em sua operadora? Quer seguir se informando? Aproveite e leia também nosso artigo sobre as tendências para as operadoras de planos.

Sem Comentários

Envie um Comentário