Gestão de processos organizacionais em uma operadora de plano de saúde

Gestão de processos organizacionais em uma operadora de plano de saúde

Os “processos” de uma organização podem ser definidos como um conjunto de recursos e esforços que são aplicados de forma coordenada com o intuito de alcançar os objetivos da instituição.

Assim, gerir os processos significa se ocupar em identificar fatores, planejar, coordenar, acompanhar, avaliar, otimizar e aprimorar as atividades realizadas, buscando sempre a melhoria contínua e, consequentemente, a excelência.

Para as operadoras de planos de saúde, a gestão de processos organizacionais é de suma importância. Neste artigo, vamos falar sobre seus impactos e dar algumas dicas sobre como aplicá-la. Confira!

Qual é a importância da gestão de processos para as operadoras?

Informações dispersas, retrabalho, pendências e dificuldade para enxergar as atividades da operadora de planos de saúde de forma dinâmica e integrada levam ao desperdício de muitos recursos, como insumos, recursos humanos, tecnológicos e de conhecimento, o que causa prejuízos financeiros para a operadora.

Assim, a gestão de processos organizacionais é importante para a operadora, visto que:

  • ajuda a alavancar os resultados;
  • ajuda a reduzir os custos e prejuízos;
  • eleva o nível de satisfação dos agentes envolvidos no processo, tanto clientes quanto colaboradores e acionistas;
  • dá base para direcionar esforços ao que é mais importante;
  • investiga e reduz a burocracia desnecessária, diminuindo o retrabalho e as informações redundantes;
  • reduz as falhas e coopera para a fluidez dos processos.

Como aplicar a gestão de processos organizacionais?

Alinhe os objetivos estratégicos

Todas as atividades realizadas pela operadora devem concordar com os objetivos e com a missão da instituição. Desse modo, faz parte da gestão de processos estabelecer objetivos que estejam alinhados com as estratégias da operadora. Isso ajuda a evitar o desperdício de recursos e a otimizar o tempo.

Mapeie os processos

Ter uma visão ampla das atividades realizadas pela operadora é essencial para realizar uma gestão eficiente. Afinal, sem conhecer e/ou entender os procedimentos ou como os setores relacionam-se entre si, é impossível adotar uma cultura de qualidade na instituição.

Dessa forma, mapear os processos significa ter conhecimento das atividades que são realizadas na operadora. Isso significa entender qual é a finalidade e a sua importância no produto final, quais são os recursos que a atividade demanda, quanto tempo, quais são os resultados e onde é possível melhorar o processo.

Elabore fluxogramas

Os fluxogramas oferecem uma forma simples de mapear os processos. Para elaborá-los, devemos escrever as etapas de forma ordenada, como um “passo a passo”, ligando a fase anterior e a próxima por meio de uma seta.

Assim, de forma visual e com uma interface intuitiva e amigável, eles oferecem uma visão geral dos procedimentos da operadora, permitindo identificar quais etapas fluem melhor e quais demandam mais atenção.

Integre as áreas da empresa

Quando os setores atuam de forma isolada, fica difícil identificar os problemas e a operadora fica mais propensa a adicionar burocracia desnecessária ao fluxo de atividades, a cometer erros e a obter informações incompletas.

Assim, os setores da operadora de planos de saúde devem conversar entre si. Para isso, é importante que essa troca de informações ocorra de forma padronizada e, de preferência, sistemática. Isso, além de melhorar o relacionamento entre os colaboradores, também contribui para processos internos mais dinâmicos, garantindo respostas mais rápidas e precisas.

Estabeleça indicadores

Os indicadores são formas de medir, de maneira quantitativa, o desempenho da instituição. Eles são muito importantes porque oferecem dados reais para avaliar o desempenho dos processos, permitindo que o gestor avalie se as atividades concordam com o que foi planejado e, assim, aprimore os processos.

Na operadora de planos de saúde, os indicadores podem ser, por exemplo, o lucro da instituição, o número de contratos fechados em um mês, o tempo médio para realizar determinado procedimento, a adesão a procedimentos auxiliares, o aumento ou a redução de glosas hospitalares etc.

Portanto, aprendemos a importância da gestão de processos organizacionais nas operadoras de planos de saúde. Vimos que, para realizar uma gestão eficiente, é preciso mapear os processos da instituição, alinhar as atividades aos objetivos da operadora e integrar as áreas da empresa. Também entendemos que realizar a avaliação do desempenho é importante para verificar se os processos estão de acordo com o que foi planejado.

E aí? Gostou das nossas dicas? No nosso outro artigo, explicamos também como otimizar os processos de auditoria médica. Leia já!

Sem Comentários

Envie um Comentário