Saiba quais serão os 6 desafios da saúde suplementar em 2020

Saiba quais serão os 6 desafios da saúde suplementar em 2020

Os grandes avanços conquistados nos últimos tempos por meio da tecnologia são percebidos pela grande maioria da população mundial. A área da saúde, por exemplo, tem se destacado pela transformação que vem conquistando em diversos setores, tanto públicos quanto privados. No entanto, os desafios da saúde suplementar são grandiosos e merecem atenção.

A saúde suplementar, consciente dos desafios enfrentados, vem buscando, ao longo dos anos, estratégias que levem entendimento aos setores envolvidos, ou seja, profissionais da saúde, beneficiários e operadoras. Diante desse objetivo, a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) apresenta algumas medidas para harmonizar o mercado e evitar maiores problemas em 2020.

Então, gostaria de entender, de fato, quais são os grandes desafios da saúde suplementar para um futuro bem próximo? Prossiga com a leitura deste post e fique atualizado.

Entenda a saúde suplementar na atualidade

O maior bem do ser humano é a saúde, e ela é dinâmica e exige cuidados específicos. O perfil epidemiológico passa por mudanças constantes, há o envelhecimento da população e o aumento da expectativa de vida, e novas patologias e tratamentos são descobertos a cada ano.

O avanço tecnológico é instantâneo e inclui, além das próprias áreas de saúde, toda a estrutura social e de comunicação, como os recursos das redes sociais na internet. Tudo isso traz um grande desafio para a saúde suplementar, que, além de atender às diversas demandas, precisa oferecer serviços cada vez mais especializados e individualizados.

A saúde suplementar é um mercado que depende de um bom relacionamento com seus credores, uma vez que a sua base é composta de assinaturas, portanto, há um público bastante rotativo e com demandas e graus de complexidade diferentes.

Trata-se de um mercado gigante e de receita previsível, porém, é um segmento que precisa de volume para gerar lucro, ou seja, um bom gestor nessa área representa toda a diferença, uma vez que poderá manter a qualidade dos serviços, bem como atrair novos parceiros.

Saiba quais são os desafios da saúde suplementar 

O momento de instabilidade e o agravamento provocado nos últimos anos ainda se arrastam na saúde suplementar. A crise financeira no Brasil e a falta de emprego têm sido alguns dos desafios, mas não são os únicos.

1. Regulação dos prestadores e fornecedores

De acordo com a FenaSaúde, uma das grandes preocupações do setor é a escalada dos custos médicos. Vários fatores contribuem e, entre eles, o desperdício que nem sempre está relacionado a fraudes, mas a comportamentos e práticas inadequadas.

2. Inclusão de novas tecnologias

Os benefícios da tecnologia são imensuráveis, mas, ao mesmo tempo, é exigida uma certa cautela sobre o que ela, de fato, oferece e sobre a forma como o usuário se apropria das oportunidades em benefício próprio.

3. Substituição dos modelos de remuneração

As práticas inadequadas geram outras consequências importantes na saúde privada: o contrato entre operadoras e prestadores de serviços e a adoção de novos modelos de remuneração.

A Lei nº 13.003 trouxe um avanço significativo para o setor ao tornar obrigatória a definição de valores dos serviços e de prazos para a assinatura de contratos entre as operadoras e os prestadores.

4. Enfrentamento de altos custos assistenciais

Os altos custos assistenciais são desafios que deixam os especialistas do setor bastante apreensivos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), atualmente, o Brasil é o quarto lugar entre os países no ranking mundial de despesas pagas por planos ou seguros privados. 

5. Combate às fraudes e tipificação de crimes

Atualmente, o sistema é condescendente com essa prática, o que provoca alto risco aos beneficiários, que padecem com a insegurança criada pelas atividades fraudulentas. As fraudes são responsáveis por parte dos custos da saúde suplementar no país.

6. Enfrentamento dos custos para aquisição de materiais de OPME

Segundo pesquisa do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) demonstrou que, nos próximos dez anos, provavelmente as despesas das operadores aumentem de forma significativa.

Procedimentos de alta complexidade demandam materiais OPME, o que compromete, sem dúvidas, o orçamento. A falta de controle e auditoria do processo de compra desses materiais torna-se um dos principais entraves na gestão dos planos de saúde. Diante dessa situação, vale ressaltar a importância de um gestor.

Além do crescimento das despesas que foram citadas, a FenaSaúde destaca outros desafios que são identificados por meio das transições: demográfica, epidemiológica, etária e tecnológica. Mas, apesar das dificuldades enfrentadas, é possível dizer, também, que a saúde suplementar no Brasil, nos últimos tempos, conquistou avanços significativos para o setor.

É importante lembrar que desafios fazem parte do crescimento de qualquer setor. O fundamental é entender que, para superá-los, é sempre bom contar com parceiros especializados no assunto, ter um gestor proficiente e uma equipe que acredita no trabalho e procura oferecer sempre o que tem de melhor. No mundo atual, essas posturas fazem toda a diferença.

Veja como reagir diante dos desafios

Buscando colocar em prática o novo modelo de saúde, ou seja, o modelo mais humanizado, a saúde suplementar está vencendo o velho paradigma do tratamento que busca somente a cura para a doença, que já se encontra, muitas vezes, em estágios avançados.

A proposta é oferecer, ao seu usuário, o cuidado preventivo com maior racionalidade de uso. A perspectiva é que o beneficiário seja atendido e acompanhado por equipes multidisciplinares, orientadas por um médico de família. Caso tenha necessidade, o paciente será encaminhado para um atendimento especializado.

Esse novo modelo, além de trabalhar com a prevenção, promove uma maior interação com o usuário. Isso, sem dúvidas, deixa-o mais satisfeito pelo bom acolhimento e pelos cuidados recebidos. Consequentemente, há uma maior fidelidade com a sua operadora. Desse modo, é uma estratégia que traz benefícios para ambos os lados.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) acredita que focar a atenção primária possa resolver de 80% a 85% dos problemas de saúde, ou seja, é a possibilidade que precisa ser adotada e aprimorada para que todo o sistema venha a funcionar de forma eficiente.

Já concluindo, é importante ressaltar que, ao longo do texto, foram apresentados os desafios da saúde suplementar, bem como a possibilidade de enfrentá-los com um trabalho sério e com parceiros competentes com visão de mercado crescente, usufruindo dos recursos tecnológicos disponíveis, de um gestor competente e de uma equipe qualificada. Além disso, destacamos, também, que desafios podem ser encarados como uma possibilidade de crescer e reinventar-se.

Então, gostou das informações apresentadas? Elas o ajudaram a refletir sobre as possibilidades de enfrentar os desafios? Gostaria de obter novas informações a respeito desse e de outros temas? Que tal entrar em contato com a nossa empresa?

Sem Comentários

Envie um Comentário